terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Onde é que se assina

Isto? Subscrevo.

18 comentários:

  1. Não tenho a expectativa de que na entrevista Socrates conteste a acusação publicada pela simples razão de que, ao contrário do que o texto afirma, não existe mordaça e nada tem sido contestado. Vitimização é o nome do jogo.

    Xispto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas cabe-lhe a ele infirmar ou desmentir essa sua expectativa.

      Eliminar
  2. Se me permite, caro Filipe, lamento que subscreva isto, "um abstracto e académico perigo de perturbação de inquérito", "é pouco e desligado do caso concreto" (qual?), logo mais à frente "o caso concreto é este..." (como sabe?) e "presunção de inocência social" (o que quer que isto signifique para a escriba em causa).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. caro Rui,

      sou um irrevogável ateniense que lê o CM: isegoria.
      Subscrevo o direito à isegoria na isonomia: todos os dias o CM traz factos novos.
      O curioso é pensar-se que a isegoria do homem o beneficiaria e prejudicaria a Justiça necessariamente .

      Eliminar
    2. Não pude deixar de sorrir com a sua brilhante resposta e de ir procurar o que significa isegoria e isenomia (quem não leu os clássicos em pequeno!). Mas em jeito de provocação, diga lá, se assim o entender, o que é para si a Justiça que citou?

      Eliminar
    3. A Justiça, para mim,no que citei, é todo processo - acusação/defesa/juiz/investigação.
      Não sejamos ingénuos: é impossível que tudo o que saia nos media sobre o processo seja falso, já vimos este filme centenas de vezes. O homem poder falar em cima de tantas outras falas ia ser assim tão prejudicial ao inquérito?

      Eliminar
    4. Caro Filipe,
      Aí está. Tal como a definiu, a Justiça tem o seu espaço (e, já agora, por muito que isso custe a tantos, o seu tempo) e é nesse espaço que o homem - qualquer que ele seja - exercita a sua isegoria (já o era na Grécia antiga, havia um espaço próprio para o fazer) e é também assim que se cumpre a isonomia.
      Tudo o mais é ruído!
      Sobre o inquérito (este), por razões próprias, não posso falar.

      Eliminar
  3. A maior de todas as falácias. Quem garante q os alegados factos q a CS publica são mesmo factos? Onde está o processo por violação do segredo de justiça? Estão a acusar o JIC ou o procurador ele próprio de serem os autores das fugas? Nenhuma norma, social, ética ou legal impede o advogado do 44 de se defender das calunias da CS. Pois se nao tem acesso ao processo e apenas se defende do que vem publicado, o q o impede de se defender!? Só mesmo uns anjinhos pseudo defensores do estado de direito para cairem em mais esta esparrela de Sócrates e sus muchacho(a)s. O q ele pretende, uma vez mais, é uma tribuna, q não o tribunal, para arregimentar os indefectíveis para o seu lado. Não os q buscam justiça, mas os q torcem para q os seus sejam absolvidos e os outros condenados. Na praça publica. A justiça dos tribunais é para o pobre. Todos os dias dezenas de cidadãos dão acusados na CS das maiores barbaridades sem q ninguém se lembre de os entrevistar. A justiça faz-se nos tribunais e na fase de inquérito de um processo tão delicado, complexo e potencialmente extensível a uma elite podre e de rabo preso, pensar q a entrevista de Sócrates é uma questão de cidadania é, salvo muito melhor, mais douta e esclarecida opinião, uma asneira grossa. A liberdade de expressão não é, sob nenhuma perspectiva, mais importante q a liberdade maior ela própria. Comprimida esta, brutalmente conceda-se, mas nos limites da lei, como não aceitar q aquela seja também legitimamente limitada?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. comosou pelos visto sum anjinho pseudo não sei o quê, não o vou maçar com réplica.

      Eliminar
    2. Ups, did it again. Sory. O estilo histérico-tremendista da 'Zabelinha enerva-me um sibinho.

      Eliminar
    3. no problema
      nestas alturas é que preciso a cabeça fria...

      Eliminar
  4. Toma e embrulha, Filipe. E vais com sorte, que ainda não te argumentaram com a marca de sapatos da Moreira. Olha, um Bom Ano Novo cheio de Normalidades é o que eu desejo.

    caramelo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom Ano da Revolução, desculpa, cof cof, do bloco central...

      Eliminar
  5. A Isabel Moreira, a Grande Irritante, defende simplesmente que se dê voz a alguém, um canalha, como queiram, e lamenta-se que não se conheçam os fundamentos da proibição da entrevista. Coisa espantosa, não é? A nossa elite liberal/conservadora, normalmente tão lamentosa da perda dos clássicos, e que faz parte da maior assembleia de cidadãos da história, não terá pelo menos em casa a Apologia de Sócrates, em edição de bolso? Está lá tudo, como na botica, incluindo, a um canto, a apanhar pó, uma tal de isegoria.

    caramelo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. isso é para mim? Ah..não: "elite liberal-conservadora".Eu sou um borra-botas.
      Mesmo assim, coloca lá os teus comentários como deve ser.

      Eliminar
    2. Não, claramente não é para ti, já que apoias o texto. Eu sei lá para quem é e onde devo colocar o comentário... falei em elite liberal conservadora? Um gajo que é de esquerda, é de esquerda; faz tudo parte daquela família desestruturada, uns têm amantes, outros drogam-se, outros esgadanham-se, mas são todos de esquerda, como outros são fatalmente Silvas. Quem não é de esquerda, não sei o que é. Se digo a alguém que é de direita, tenho sermão e missa cantada, se digo a alguém que é liberal, dizem-me para ir estudar, se digo a alguém que é conservador, depende: ó meu amigo, eu sou conservador quando das cinco às sete faço conservas de compota. Pronto, simplificando, o comentário é dirigido às pessoas normais, na normalidade normal, no geral, que acham a Isabel Moreira histérica, no geral, e histérico aquele texto em particular. Paz.

      caramelo

      Eliminar
  6. Amigo
    para Si Sua Família um Bom Ano.
    deve continuar a enxotar as moscas ... sempre as mesmas

    ResponderEliminar