sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Mais justa repartição de sacrifícios

Um administrador não-executivo é um "ramo de cheiros", recebe   o mesmo que um auxilar de uma escola que verga a mola  cinco dias por semana ganha num ano inteiro,  "entra mudo e sai calado" e ...queixa-se.

9 comentários:

  1. a falência não era inevitável. rikki foi vítima de 3 fascistas: Costa, Passos, Cavaco.

    sou Amigo do Nuno porque sempre o considerei um Homem sério.
    os boxexas nunca gostaram dele.
    não foi gm do gol porque essa coisa é só para gente folclórica, tipo tricano,
    Omar Icas, coroneis 'ó génios' e requejandos

    ResponderEliminar
  2. O descaramento alheio é uma coisa que ainda me surpreende. Aceita um cargo em que, segundo ele, nada é, mas acha que pagar 12.000 euros por nada é pouco. Basicamente, não se tratava de uma remuneração, mas sim de um donativo. Em que mundo vive esta gente? (Eu sei, eu sei...)

    ResponderEliminar
  3. Filipe, já vi, sou absolutamente contra estes sistemas em que existem senhas de presença escandalosas e é verdade que existe muita gente a ganhar muito dinheiro de forma totalmente imoral (mesmo que seja legítima, do que duvido). Mas nada disso tem qualquer relação com o post anterior, que é um bocadinho demagógico a mais para meu gosto. É alinhar no coro do "são todos iguais, os ricos estão mais ricos", que me parece uma forma muito pouco útil de combater o que é referido neste post. Exactamente porque não são todos iguais e é preciso dizer, de forma clara, que este senhor tem tanta responsabilidade ao aceitar esta situação, como o outro ao proporcionar-lha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É falso que alinhe nesse coro ( ou noutro quaqluer) , como o prova o meu histórico de blogue.
      E tem relação sim, Henrique. O meu ponto é que é mentira descarad que o sacrfícios tenham sido "igualmente repartidos".
      Aliás, só um tonto pode acreditar nisso( não aconteceu e nunca aconteceu em lado nenhum, nem em guerra) e vc não é tonto, por isso não percebo a insistência.

      Eliminar
  4. Filipe, eu sei que é falso que alinhe em coros, mas uma vez por outra todos fazemos um comentário que alinha. Foi nesse sentido o meu comentário ao primeiro post, e por isso falei em desilusão (sentido mais retórico que outra coisa). Vejamos a questão dos sacrifícios igualmente repartidos. Quando os administradores dos bancos vêm a sua remuneração reduzida em 50%, estão evidentemente a ter cortes de rendimento muito maiores que os 2 ou 3% de quem ganha 600 euros. Quer isso dizer que os sacrifícios estão igualmente repartidos? Não, porque um corte de 50% no rendimento dos banqueiros (este valor já não é retórica, é real) não chega sequer à categoria de sacrifício, é um incómodo, uma coisa desagradável, ao contrário de quem perde 50 euros em 600. Neste sentido dou-lhe inteiramente razão. Mas quando se pretende ilustrar este facto dizendo que os rendimentos dos banqueiros aumentaram quando os outros diminuíram, santa paciência, isso é pura matemática, não há muito a discutir: é falso.

    ResponderEliminar
  5. Resumindo, a minha insistência não é moral, é prévia a isso, é de rigor na caracterização dos factos, cuja classificação moral podemos discutir depois.

    ResponderEliminar
  6. Apenas para corrigir que um auxiliar de escola vencerá cerca de 8000 ouros ao ano!!
    No caso, o tonto está apenas a chutar pra canto. Faz-se de Amélia. E tudo pelos depósitos, a ver se descongela, que, aparentemente, foram colocados, para liquidação, na massa falida, pelo 6º juízo de comércio. Desculpem, da praça do comércio!!

    ResponderEliminar
  7. Também fiquei de boca aberta...http://observador.pt/opiniao/eu-tambem-quero-ser-verbo-de-encher/

    ResponderEliminar
  8. Mas quem é este Godinho!? Aquilo não existe!! Um tonto ausente daquele calibre e latão, não pode existir!!

    ResponderEliminar